Robbie Jacks


Gastar 1 milhão de reais em 24 horas não é tarefa fácil.

A primeira coisa que me veio à cabeça seria me cobrir de luxo. Roupas chiquérrimas, carro do ano, apartamento num bairro nobre, e uma casa na praia.

Mas aí eu pensei: como vou pagar o condomínio de luxo? Onde vou usar essas roupas carésimas? Como vou pagar o seguro do carro? Quem vai tomar conta da casa de praia? Sim, porque, após esse dia de princesa, eu voltaria ao meu pobre self e não teria dinheiro nem para pagar ônibus de volta para casa!

Então, decidi ser prática. Se 1 milhão eu tivesse, 1 milhão eu gastaria, mas com parcimônia. Primeiro, comprando um carro novo, mas modesto, que eu pudesse manter. Um apartamento confortável, num lugar ace$$ível. Mobiliaria toda a minha nova casa com móveis de primeira e eletrônicos de última geração (porque esses dá pra gastar à vontade!).

Por último, planejaria uma longa viagem, para visitar meus destinos favoritos. Deixaria tudo pago e, se ainda sobrasse algum dinheiro, perguntaria pro meu pai se ele quer alguma coisa. Afinal de contas, a gente não pode ser tão egoísta,né?
Marcadores: , , , , , 0 comentários | | edit post
Reações: 
Robbie Jacks



Quanto você pagaria por uma bolsa exclusiva? Ou por um sapato da haute couture? E um gloss de uma loja chiquérrima?

VALOR é um conceito tão subjetivo quanto o gosto musical, ou a série preferida. Por exemplo, para mim, essa bolsa (que eu nunca compraria) não passa de um lugar pra guardar meu gloss, que custou R$10 reais ali na esquina e borra meu namorado do mesmo jeito quando nos beijamos.

Falando em beijo, quanto você pagaria para dar um beijo no seu ídolo? O vampirinho do Crepúsculo vendeu o dele por $20.000,00!
Pois é, se o Betinho (me perdoe a intimidade) fosse um Zé Ruela da vida, uma bitoca dele não valeria nem 1 real na barraca do beijo da festa junina da sua tia. Masss, como ele é quem é, seu beijo vale ouro com diamantes incrustados. Espero que o hálito esteja em dia.

O que quero discutir aqui não é a "sobra" de dinheiro desse pessoal nem a questão da caridade, mas do valor que se dá às coisas hoje. Quanto mais observo, mais percebo que hoje, o que vale, é o quão famoso/bonito/cool você é. Atores, cantores, jogadores de futebol, fashionistas, recebem uma grana violenta para serem... o quê? Produtos, símbolos, desfilando com seus $$$, e nos tentando a comprar cada vez mais, cada vez mais caro. E nesse furacão de produtos e aparências se perdem as medidas, se perdem os valores, pois vale tudo para ter o que seu artista tem, não é? E o que a Vanessa Hudgens tem de graça, você gasta os tubos para conseguir.

Sinceramente? O dinheiro é seu. Gaste-o como quiser e seja feliz. Mas eu te digo: se meu o dinheiro fosse, melhor gasto seria. Quem sabe ainda não dá tempo de pegar um vôo para Londres???
Marcadores: , , , , , 0 comentários | | edit post
Reações: 
Robbie Jacks



Aqui em casa, nunca se falou de sexo. Na hora picante da novela das 8, ou minha mãe me mandava para o quarto ou ficava aquele silêncio constrangedor na sala. Mesmo assim, desde nova sei tudo sobre camisinhas, DST, gravidez e até sobre ponto G. Como? Lendo.

Cresci com a cara enfiada em gibis e revistas. Com eles, aprendi palavras novas, como quando chamei minha mãe de "entojo" (o que me fez descobrir outra leitura- o dicionário!). Também aprendi a ler as linhas da mão, ver se o menino está afim de mim e, sobretudo, sobre a antes e depois da tal primeira vez.

No colegial, minhas amigas e eu conversávamos nos intervalos sobre meninos. Não tínhamos experiência sexual para dividir, mas tínhamos muitas curiosidades e dávamos muitas risadas quando nos imaginávamos fazendo "aquilo". Aliás, nunca chamávamos as genitais pelos nomes certos- herança da repressão da mamãe. Para nós, era embaraçoso falar de pênis e vaginas no banheiro feminino.

Na realidade, nossa inexperiência nos tornava românticas. Embora eu fosse letrada na parte biológica da coisa, e muitas vezes esclarecer mitos e lendas para minhas amigas, experiência de verdade eu não tinha. Para falar a verdade, sinto saudades daquele tempo: sexo era uma espécie de ritual mágico, de onde eu, sonhadora do jeito que sou, sairia mais madura, feliz e com um príncipe apaixonado. Bem, se for para comparar com minha primeira vez, era melhor ter ficado só no sonho mesmo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...