Robbie Jacks



Ela é linda. Popular. Bem-humorada. Generosa. Perfeita. E não era eu.

Sabe aquelas garotas de comercial de margarina? Minha amiga é assim. Eu, que acordo toda remelenta e descabelada, tenho até vergonha de viajar com ela e meus amigos, pois se nos puserem lado a lado parecemos o "Antes e Depois" de um Extreme Makeover da vida.

Era difícil não me sentir uma reles sombra perto dela: todo mundo queria ser seu amigo. E eu? Ninguém me enxergava. Sempre que saíamos, todos os rostos se voltavam para ela, e para mim necas. Até ELE, por quem meu coração um dia bateu mais forte, só tinha olhos para ela. Ela me dizia que eu era legal, bonita e inteligente. Então por que ELE não me enxergava?

Um dia, saí sozinha. Vou confessar que foi até confortável não ter todos os homens olhando na minha direção. Finalmente, eu era anônima por conta própria!

Nessas minhas andanças, notei que, dias mais, dias menos, rostos se voltavam para mim. Ouvi piadinhas, assovios, cantadas, das mais cafonas às mais elaboradas. Outros ELES vieram e se foram, e um ELE veio e ficou. Ao apresentá-lo à minha amiga perguntei, cheia de receios, o que achava dela. Sabe o que ele disse?

-Sim, Roberta, ela é perfeita. Mas não é você!

:) :) :) :) :) :):) :) :):) :) :):) :) :):) :) :):) :) :)
Robbie Jacks


forever young :p



"O tempo passa rápido", é o que todo mundo diz. Ultimamente, sinto que o meu tempo voa à velocidade da luz.

Estou chegando perto da minha terceira década de vida, e mal posso acreditar! Sempre achei que, aos 30 anos, eu ia estar casada, com dois filhos, morando numa casa mais ou menos e com um daqueles empregos chatos que só servem mesmo para garantir o leitinho das crianças. Hoje é meu aniversário, e minha vida nem de longe parece tomar esse rumo.

Enfim, hoje faço 27 anos, mas tenho os mesmos sonhos, manias e incertezas de quando tinha 18. Será que, em 3 anos, minhas dúvidas serão magicamente respondidas? Será que a maturidade (sim, porque eu ainda me sinto meio adultescente), a responsabilidade e o amor à Pátria chegarão na virada dos 30? E as rugas, a dor nos joelhos, os exames de sangue, serão meus velhos conhecidos nessa data fatídica? Não sei e, por enquanto, prefiro não saber. Hoje é meu aniversário e vou curtir minha juventude na night. Isto é, se essa dorzinha no joelho permitir...
Marcadores: , , , , 0 comentários | | edit post
Reações: 
Robbie Jacks



Já pensei tanto nisso... seu eu pudesse, voltaria para aquele dia em que briguei com você porque o almoço não estava pronto, lembra? Agora percebo que eu, como você, estava frustrada com a vida, e tinha raiva da sua idade, e dessa doença invisível que te levava para longe de mim.

Curioso é que, até hoje, não me arrependo dos meses que fiquei sem lhe dirigir a palavra--você sabe que estava errada. Mas, naquele dia, na cozinha, quando vi o frango completamente cru por dentro, não me toquei que a comida mal-feita era sua melhor tentativa de superar suas dificuldades. Mãe, me perdoa? Eu saí batendo porta e larguei você à própria sorte, sem nem reconhecer o esforço que fez por mim. Imagino o tamanho do sofrimento que te causei e, por isso, ainda não consegui me perdoar.

Me dói muito escrever este texto, porque mágoa aqui dentro não vai embora, embora você já tenha ido. Você sabe que posso ser muito insensível, e não gosto de ser assim. O que eu queria mesmo era que o passado me ensinasse a agir diferente no futuro. Mas, infelizmente, eu sou cabeça-dura, e isso você também sabe.
Robbie Jacks


Estamos na era dos direitos: o atendente da loja foi grosso com você? Processo! Seu hambúrger veio com meia (!) larva? Processo! O cachorro do vizinho não para de latir? Se muda ou então eu processo!


Lutar pelos seus direitos é bom e deve ser incentivado. As crianças hoje, por exemplo, conhecem de A a Z o que pode ou não ser feito contra elas. Tanto que há casos de filhos processando pais por abuso de poder. O problema é que, com essa propagação vazia dos direitos, estamos criando um universo de teens alienados que se acham no direito de tudo, mas não tem sequer noção dos seus deveres. RESPEITO é um deles.

Assim, quando surge mais um caso de violência ao professor, me indago: onde foi parar a educação? E não falo daquela que, obviamente, o professor NÃO conseguiu instilar no seu aluno. Falo daquela que vem do berço, do contato dessas crianças com seus parentes mais velhos. Não acredito que o que há nas salas de aulas de hoje seja diferente do que acontecia antigamente: professores mal-humorados, rudes ou simplesmente indiferentes. É a reação dessa geração mimada, acostumada a conseguir tudo o que quer, que gera o conflito: ao invés de se conformarem, se rebelam, com tanta violência que vão parar nas manchetes.

Tenho pena desses pais que ensinam seus filhos a questionar a figuras de autoridade: logo,logo, os desafiados serão eles próprios. E, se não cederem, é bem capaz de seus filhos aparecerem novamente na primeira página do jornal.
Robbie Jacks

Para ser meu herói, tem que ser sagaz. Nada de nascer em Kripton, ser picado por aranhas radioativas ou virar cobaia de experimentos governamentais: meus heróis construíram sua própria força e criaram seu império usando inteligência, perseverança e aproveitaram as oportunidades que a vida lhes lançou.

Meu primeiro herói aparece todos os domingos perguntando se eu quero dinheiro. Ele já distribuiu milhares de prêmios ao longo de sua carreira, e continua amando entreter o público. Senor Abravanel, ou Silvio Santos, é um cara porreta que começou como camelô e usou seus instintos para evoluir. O melhor de tudo é que, ao longo dessa jornada, ele não só agiu com transparência e de forma justa, mas também foi (e ainda é) generoso e afável com os que o cercam. Um dos ícones da minha infância e um brasileiro para se ter orgulho.

Meu segundo herói é, na verdade, uma heroína. Uma mulher que, como eu, dava aulas de inglês para sobreviver. Que, também como eu, tinha problemas com a irmã, e também sofreu com a morte prematura da mãe. J.K. Rowling, autora da saga Harry Potter, é, para mim, uma inspiração, um exemplo, uma ânsia de ser como ela. Foi "rascunhando" em guardanapos, com uma filha pequena e um casamento falido, que Joanne, do fundo do poço, criou o personagem tão incrível e cativante que a transformou em multimilionária.

E é esse tipo de pessoa que eu almejo ser. Não que eu queira atingir o fundo do poço, mas gostaria muito de achar em mim essa sagacidade, essa força criativa que os fez se destacarem da maioria. Meus ídolos são heróis porque não se conformaram com as adversidades da vida, provando que, com um pouco de sorte, qualquer um pode encontrar o sucesso: basta não desistir.
pauta para o site TDB: "quem é seu herói?"
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...